O QUE ESTÁ EM SEGUNDO PLANO

[exto original]

Mariana

1

A barragem que rompeu histórias

“Era 11h35, eu cheguei na varanda e disse: meu Deus eu to sonhando. Dava pra ouvir as pessoas gritar. Eu pensei que ia morrer. Passei a noite toda acordada vigiando!”, são as palavras de Dona Maria, conhecida como Zoca, na comunidade de Gesteira, um dos distritos atingidos pelo rompimento das barragem de Fundão e Santarém, da Mineradora Samarco.

Zoca, 73 anos, foi precisa no horário porque foi neste exato momento, no dia 5 de novembro, que sua história foi rompida por um mar de lama que levou embora tudo o que conquistou na vida junto com seu marido, Zé Carlos, 77 anos. Ele busca esperança na expectativa de que a empresa irá restituir tudo o que ele perdeu, e lamenta: “perdi tudo o que tinha. Nem sei o que vai ser. Nossa maior renda era isso, tão cedo eu não posso mexer nesse trem. Minha pá, enxada, tudo o que eu tinha para trabalhar estava no rancho”, diz, apontando para a fazenda soterrada.

O povoado de Gesteira fica a cerca 60 km das barragens que se romperam, e não foi avisado, segundo os moradores, pela Samarco, sobre o ocorrido. Se não fora os familiares que moram em Mariana (MG) ligar e, a partir daí, a notícia se espalhar, a chance de todos morrerem seria enorme.

Os moradores da região, inclusive os das fazendas que seguem o Rio Gualacho, que corta as comunidades, e antecedem Gesteira, afirmam que somente os distritos de Bento Rodrigues e Paracatu foram informados pela empresa a respeito do rompimento. Mesmo assim, o contato não foi suficiente,  muitas pessoas dessas duas regiões afirmam não terem recebido nenhum aviso, segundo o jornal El País.

O caminho para as comunidades isoladas

Para chegar às comunidades de Gesteira, Cidreira e Mandioca, acompanhei, durante dois dias, os Bombeiros Civis de Minas Gerais e os jipeiros e socorristas voluntários da Cruz Vermelha, que, inclusive, não mediram esforços para ajudar às vitimas da tragédia.

O único acesso a Mandioca e a Cidreira era a pé pelas montanhas e pastos que cercam a região, ou aéreo, no caso, para resgates e entrega de água e alimentos. Foram aproximadamente 12 horas de caminhada para chegar às famílias e listar suas necessidades emergenciais.

Famílias de Cidreira e Mandioca

Dirceu da Luz, 72 anos, perdeu tudo. O que restou foi a roupa do corpo e angústia de ver uma vida inteira arruinada em instantes. Tudo foi adquirido ao lado da esposa, Geralda da Luz, 67 anos. E ao lado dela viu tudo se arrastar. “Tinha umas coisinhas de pobre, mas era nossa, né! Pra nós que é da roça as coisas são mais difíceis. A gente pensa em recuperar de novo as coisas que a gente perdeu, mas não sei como. Nossa idade não permite trabalhar mais, a gente não aguenta!”, conta Geralda.

O casal, que mora em Mandioca, terminou de pagar a última prestação do guarda roupa, com o dinheiro da aposentadoria, no início desse mês. O fogão novo que compraram não existe mais, foi arrastado na mesma semana que pagaram a primeira parcela, conta Mônica, filha do casal. Minha mãe comprou o fogão dos sonhos, tadinha! Tinha divido em 10 vezes, foi embora!”.

Dirceu venceu um câncer no intestino há 4 anos e, segundo a esposa, o tratamento lhe rendeu a perda da visão de um dos olhos, e frisa: “o colírio é muito caro!”. Já velho, seu corpo o trai. “Quando ele cisma trabalhar, ele sofre muito com dor”, conta a companheira. Enquanto isso, “resta esperar”.

Adão e Francisca Gonçalves são casados e moram em Cidreira. Assim como o vizinho Dirceu, perderam tudo. Da casa, sobraram apenas alguns detalhes que a lama não cobriu.

Pelo quintal, animais mortos já causam mal cheiro. Entre eles, o fusca azul da família que foi arrastado com a força do barro. “Nosso carrinho era tudo pra nós. Temos um filho doente, ele tá em Mariana, e o carro a gente usava toda semana pra levá-lo ao ponto e buscar”, lamenta, Adão. Das suas convicções após a tragédia, uma delas ele insiste em dizer: “o próprio homem que fez isso com nós, por causa da ganância por dinheiro!”.

Maria da Penha de Castro, 55 anos, mora no Sítio do Moinho, o lugar fica às margens do Rio Gualacho. Ela ficou sabendo do que estava por vir por familiares e amigos, às 15h. “Como pediram pra não ficarmos em casa, ficamos lá no meio do pasto. Ouvíamos a zueira a horas”, conta, se lembrando de que já se tinha dimensão do que viria antes mesmo de chegar. Abaixo, o depoimento de sua filha, Angélica Souza:

Zilmar Marcelo Cota e Vitor José Cota moram em Cidreira, são irmãos e produtores rurais. Zilmar perdeu tudo que tinha. Vitor, as pastagens e plantações e, devido à falta de luz e acesso fácil a sua fazenda, tem sido obrigado a jogar, diariamente, 200 litros de leite fora.

Outros depoimentos podem ser assistidos aqui.

Dei lugar aos vídeos neste post porque entendo que eu jamais conseguiria expressar a dor e a realidade de cada um dos entrevistados. Entre as vítimas, o que se guarda, acima de tudo, é o agradecimento pela vida, mas isso deixo para um deles dizer. Com a palavra, Antônio Marcos:

“Praia democrática é mito”

Assim que se mudou para o Rio, em 2004, e começou a frequentar as praias cariocas, a antropóloga paulistana Julia O’Donnel se surpreendeu com uma pergunta que ouvia com frequência: Em que posto da praia você vai?

Para ela, a escolha dependia tão somente do fato de haver espaço livre ou das condições do mar em determinado trecho de areia. Começou a se interessar pelo tema, conversar com as pessoas, e tentar entender por que a praia, apesar de ser um trecho restrito, é tão dividida entre si. Levou a curiosidade para o doutorado que faria na UFRJ e a tese virou o livro “A invenção de Copacabana: culturas urbanas e estilos de vida no Rio de Janeiro”, lançado em abril pela editora Zahar. O trabalho analisa o projeto de civilidade que se construiu na orla a partir de sua ocupação pelos cariocas, entre os anos de 1890 e 1940 — e a maneira pela qual a elite, a primeira a tomar as praias para si, na virada do século XX, adotou um discurso de exclusividade em relação ao espaço. Nas últimas semanas, ao ler notícias e comentários nas redes sociais sobre a nova onda de assaltos que ocorreu em dias de praias lotadas, provocando uma reação da polícia — que anunciou delegacias móveis nas areias, reforço de policiamento e até a polêmica medida de revistar ônibus vindos da Zona Norte durante o verão —, Julia notou um eco do mesmo discurso de “faxina social” que encontrara no início do século para sua pesquisa. Um discurso que põe em xeque o mito da praia como um espaço totalmente democrático, como defende ela. Moradora de São Conrado, mas frequentadora do Leme por causa da língua negra que há décadas afeta a qualidade da praia, a pesquisadora e professora de Antropologia Social da Fundação Getúlio Vargas conversou com a Revista O GLOBO sobre a praia que encontrou como um objeto de estudo.

Como se deu a apropriação das praias pela população?

Na virada do século XIX para o XX, só se ia à praia por razões medicinais, ninguém ia à praia por prazer. Foi na Europa e nos Estados Unidos que começou a se disseminar o hábito de usar a praia como lazer, mas isso não chegava ao Brasil. As revistas elegantes da época, como a “Revista da Semana”, faziam verdadeiras campanhas para convencer a população carioca a usar as praias. No mundo inteiro, diziam que quem era civilizado ia à praia, que era elegante ir à praia. Chamo essa campanha na minha tese de “projeto praiano-civilizatório”, em que a praia deveria ser ocupada, sim, mas dentro de um modelo de “elegância e civilização”, como eles diziam. Essa campanha começa a surtir efeito a partir da década de 1920. As praias começam a encher, e isso acompanha o boom demográfico de Copacabana, a partir da década de 1940, quando o bairro começou a ser associado à nova elite do Rio. Esse primeiro momento de ocupação da praia, portanto, não é democrático. A praia era um espaço exclusivo das elites. Nem ônibus entrava ali ainda.

Quando a praia se tornou mais democrática?

No final da década de 1920, começam a chegar a Copacabana as “taiobas”, que eram os bondes de segunda classe que permitiam que os trabalhadores usassem trajes de banho. Mas, dentro da lógica das elites, começou a incomodar. O que estava acontecendo? A elite havia propagandeado um estilo de vida praiano, que não era só usar a praia, claro, mas era também ter um corpo moldado, bronzeado, elegante. A Coco Chanel apareceu nas revistas bronzeada e isso virou moda. E agora todos tinham de lidar com as praias lotadas de trabalhadores. De tanto alardear a campanha, o desejo de ter acesso ao mundo elegante à beira-mar passa também a ser a vontade de diferentes camadas sociais. E aí, no início da década de 1930, começam a aparecer textos muitíssimo inflamados nos jornais reclamando dessa suposta “invasão”.

É no início da década de 1930 que a elite começa a recobrar a tal “exclusividade”?

Sim. Começam a se referir às pessoas até como “animais”. (Lê um trecho do jornal “Beira-Mar”, de 1929, que usa em sua pesquisa: “esse referver de criaturas, bem ou mal vestidas, limpas ou sujas, de todas as cores ou nacionalidades afeia os balneários, que se assemelham a praias habitadas de focas, não a praias vaidosamente chamadas de elegantes”, ou: “Não somos dos que entendem fazer de Copacabana um lugar exclusivo dos ricos e dos estetas, o que defendemos é a ordem e a beleza social das nossas praias. Sejamos progressistas, mas separando o joio do trigo”). É a ideia de que a democracia não é compatível com a elegância.

Antropóloga Julia O’Donnell na praia de Copacabana

A praia é um território democrático?

O acesso à praia é democrático, mas a gestão do espaço não é. Essa tentativa recorrente de controlar o que pode e o que não pode, desde o primeiro “choque de ordem”, em 1917, e que regulava o tamanho dos maiôs ou o horário permitido para tomar banho, é uma tentativa de moralização da praia usando a polícia como agente. É interessante: ao mesmo tempo em que a praia é vendida como um espaço democrático, há uma gestão moral sobre esta aparente democracia, que marca nossa estrutura social, que é profundamente estratificada.

O conceito de praia democrática, então, é um mito?

Sim. É um mito. Um exemplo é a chegada do metrô ao Arpoador, que provocou aquela chiadeira da população, dizendo que ia virar “lugar de favelado”. E isso gerou, de fato, um deslocamento: há uma população segmentada na praia que é majoritariamente negra. O que no nosso país quer dizer majoritariamente pobre, por nossas peculiaridades históricas. Não existe a mistura. Se um grupo de meninos negros chega ao Posto 10 e começa a fazer uma festa, no dia seguinte as pessoas vão se mudar para o Posto 11. É fato.

Há alguma mudança no discurso do início do século para cá?

Nenhuma. É muito este discurso, ainda, do “nós” e “eles”. Um sintoma desse incômodo foi o surgimento de uma praia “exclusiva” no ano passado. Outro exemplo: moro em São Conrado e me espantei com a mobilização dos moradores do bairro contra um conjunto habitacional que seria construído perto da Rocinha, alegando “que ia desvalorizar o bairro”. Ora, a Rocinha está lá muito antes desses moradores de São Conrado, e o discurso é o mesmo que encontro nos jornais do início do século passado, uma fala de faxina, de xenofobia. Parte de um pressuposto que o bairro tem donos e que eles é que decidem o que pode ou não ser construído ali. E ainda há essa ideia de que pobres desvalorizam o bairro. Por isso essa divisão de turmas em postos me chamou a atenção quando cheguei. A praia é um ambiente juridicamente democrático, mas não como prática social. Acho muito perigosa essa mistificação da praia como ambiente de harmonia social.

Há diferença dos primeiros “choques de ordem” para o controle atual?

A presença da polícia nas praias também é uma questão interessante. É uma longa relação da praia carioca com a polícia. A notícia de que vão revistar ônibus vindos da Zona Norte, por exemplo, caberia perfeitamente nos jornais que pesquisei em 1922. É a “taioba”. Os suburbanos podem ir à praia? Podem, mas são malvistos, maltratados. Tem esse primeiro “choque de ordem”, de 1917, que era mais de controle dos costumes, mas já gerava prisão. Depois, há algumas tentativas de moralização, com Getúlio Vargas, e a presença ostensiva da polícia na orla a partir dos anos 90, com os arrastões, até o choque de ordem mais recente, regulando as barracas, o queijo coalho, o frescobol.

O que mais chamou sua atenção nessa última onda de assaltos, que provocou imagens assustadoras de revolta dos frequentadores?

É claro que a violência tem de ser reprimida, evidente, não é para haver assaltos na praia, mas não dá para comparar com os arrastões dos anos 90. Me assustou a naturalização do preconceito nas redes sociais, como a fala de que “é um absurdo ter ônibus para o Alemão de 15 em 15 minutos”. Um pânico de perder a exclusividade da praia. E é interessante que isso aconteça justamente num momento em que há todo um discurso de retomada da cidade pelas UPPs. O problema é o uso moral do discurso que se faz em torno desses acontecimentos. Não é “vamos investigar o que provocou o episódio”, mas reprimir impedindo que determinadas pessoas tenham acesso. Esse episódio mobilizou discursos, atitudes e medos que estão na praia todos os dias, só não são ditos.

Fonte: Jornal O Globo, disponível em http://oglobo.globo.com/rio/praia-democratica-mito-diz-antropologa-10919421#ixzz3Oo5KV8HE